ASAP quer novos candidatos à Ordem

quarta, 08 junho 2016 13:26

"Basta desta inércia, deste abandono a que temos sido sujeitos pela Ordem dos Advogados". O apelo foi lançado pelo presidente da Associação das Sociedades de Advogados de Portugal (ASAP), João Afonso Fialho, na sessão de abertura do 9.º Encontro Nacional das Sociedades de Advogados de Portugal, que decorre esta quarta-feira, 8 de junho, em Lisboa. Os interesses da ASAP e da Ordem "não são convergentes", sustentou, instando a novas candidaturas.

"Ainda estamos a tempo de apresentar candidaturas à Ordem", desafiou, porque entende que "o cenário não é muito animador". "Não tem sido a nossa bastonária", criticou, queixando-se da "ignorância dolosa e censurável" da Ordem, razão pela qual, este ano, e “pela primeira vez”, não foi convidada a estar presente no encontro. "A Ordem tem ostracizado as sociedades de advogados há nove anos", denunciou.

Afirmou que neste momento as decisões da Ordem são "impostas e não debatidas", como é o caso nas contribuições das sociedades. "Fomos notificados para pagar, mas não para discutir". A contribuição não tem importância, mas "é uma questão de princípio". "Apesar dos nossos apelos não ouviram ninguém" e "não têm competência para sozinhos discutirem estes temas com o Ministério da Justiça", notou.

Lamentou também que a Ordem  responda "sempre com sobranceria" e tenha permitido que se aprovasse legislação "abusiva" para os advogados sem apontar "qualquer objeção".

O advogado considerou, pois, que a ASAP tem condições para ocupar a "terra de ninguém" em termos de exercício de competências de regulação da profissão que a Ordem deixou, sublinhando que "não é nada que não exista já" noutros países.

Sd@briefing.pt

Modificado em quarta, 08 junho 2016 15:36